1 2 3 4
domingo, 9 de outubro de 2011 1 comentários


Aqui estamos, mais uma vez, galera, precisamos ser sinceros, esta é a última vez! Isso mesmo, nossa participação no Desafio do Conhecimento 2.0 encerra com a postagem a seguir. Foram 6 postagens magníficas que realizamos, mas deixemos as considerações para o final né? Vamos lá, observando todas as demais postagens, é possível notar que os temas refletem ao mercado de trabalho. Desta forma, nossa última tarefa não poderia ser diferente. O tema proposto é o seguinte: "Profissões do futuro e profissões que desaparecerão. Comente sobre esse assunto e sobre as vantagens de se graduar em cursos práticos, que ensinam a realidade do mercado." Interessante, não é? E aqui, no nosso blog, você vai ficar por dentro deste assunto, vamos lhe "atualizar e antenar". Foco na tela e viaje conosco, rumo ao conhecimento, rumo a mais conhecimento, com diversos depoimentos e conteúdos complementares.



Após a Revolução Industrial, ocorrida no século XIX, diversas profissões surgiram, isso refletiu diretamente na economia. Em paralelo, surgiram pequenas oficinas domésticas e grandes manufatureiras, estas, focadas e especializadas na produção de tecidos. Surgiu ainda a máquina à vapor, que realizava o trabalho que até então, dependia da força braçal de diversas pessoas. É notável que um dos principais setores beneficiados com a Revolução Industrial, foi o têxtil. À partir daí, a indústria passou por constante evolução, com o surgimento de inúmeras fábricas. Com isso, houve também a implementação de novas profissões, fato que causou a extinção e inclusive o desaparecimento de outras. O trabalho manual foi cada vez mais, substituído por máquinas. Isto fez com que muitas indústrias evoluíssem significativamente a sua produção, em contrapartida, muitos profissionais acabaram ficando para trás, esquecidos e substituídos pelo novo modo de produção.
Desta forma, Atualizados e Antenados pode afirmar que as profissões são uma variável constante, vão evoluindo, se adaptando e perdendo espaço a cada momento, cada nova necessidade, cada avanço, principalmente tecnológico, representa possivelmente a redução da necessidade de determinado profissional no mercado de trabalho.
Alguns exemplos de profissões "do passado": O alfaiate, "era" um profissional que fazia especificamente, roupas masculinas, de acordo com a preferência e necessidade de cada consumidor. Outro exemplo, é a profissão de amolador, na qual o profissional tinha por função afiar facas e desempanar objetos. Ainda, o sapateiro, que participava de todo o processo de fabricação e conserto de sapatos. Essas três profissões são alguns exemplos de extinção de profissões. Isto se dá, como já citamos, devido aos avanços tecnológicos, também ao nível socio-econômico das famílias da atualidade, diferente de antigamente, hoje são poucas as pessoas que levam um sapato para o concerto, as condições financeiras direcionam para o consumismo, a sociedade impõem renovações constantes.
Com o passar do tempo, todas as profissões passam por uma evolução e renovação dos campos de atuação. Enquanto muitos novos profissionais visavam o futuro, buscando se especializar nas tendências futuras, outros buscaram renovar suas formas de atuação, com a renovação dos seus conhecimentos, realizando cursos e de várias maneiras, buscando atualizar-se para as exigências do mercado de trabalho.
Com isso, atualmente podemos notar uma grande demanda de profissões, empregos e serviços específicos, direcionados aos diversos setores do mercado de trabalho.
Por exemplo, antigamente, existiam as empregadas de limpeza, hoje-em-dia, há as supervisoras de bem-estar, higiene e saúde. Podemos concluir então que além do modo de trabalhar, houve também uma evolução do conceito das profissões.

Se buscarmos na história um ponto determinante para a evolução das profissões, a Revolução Industrial é realmente o de maior relevância, junto com a Revolução, veio também a necessidade da criação de empregos para trabalhos específicos.
Como já colocamos, muitas profissões já desapareceram, outros exemplos são a lavadeira, o Posticeiro, as governantas, que ao longo da história foram perdendo espaço no mercado de trabalho. Enquanto algumas desapareceram, outras transformaram-se.
Hoje-em-dia, quem necessita do trabalho de um agueiro se os supermercados disponibilizam garrafas de todos os tamanhos e tipo? Quem necessita do trabalho de um Alfarrabista se há bibliotecas e livrarias? Como alguém pode sobreviver engraxando sapatos, se pouquíssimas pessoas deixam engraxar seus sapatos, sendo que atualmente há máquinas de engraxar, onde uma moedinha faz o trabalho do esquecido engrazador? A modista, fazia o trabalho da estilista, o telefonista evoluiu ao apoio ao cliente. Bom, são inúmeras, as profissões que perderam espaço, mas será que isso aconteceu com todas as profissões? Não, muitas profissões mantém-se, porém estão vulneráveis às frequentes mudanças exigidas pela sociedade. O tema da evolução das profissões é algo bastante complicado de descrever, tendo em vista que uma grande parcela das profissões não desapareceram, elas se uniram à outras formando uma só. Um exemplo disto é o datilógrafo, que atualmente atua como assistente administrativo.
Podemos dizer que diversas das profissões existentes atualmente são de baixa representatividade no mercado de trabalho, desta forma, podemos afirmar que num futuro próximo, elas serão mais algumas da lista de profissões "desaparecidas".
Quanto ao futuro das profissões?
Como já colocamos, as profissões possuem um futuro inseguro, visando que as pessoas começam a desempenhar novas tarefas à medida que o mercado evolui, porém, algumas atividades vem a ser consideradas profissões e outras não. Se muitas profissões já foram reconhecidas desde a antiguidade, essas novas profissões surgem devido às novas necessidades impostas pela sociedade.
Deste modo, após descrevermos um pouco sobre a evolução das formas de trabalho, podemos dizer para vocês que isso é um ciclo, não podemos nos "prender" às profissões tradicionais, precisamos focar no futuro, nas profissões do futuro, que você verá neste post.


Pessoal, antes de começarmos a descrever as profissões que farão parte do nosso futuro, vamos dar uma olhada no depoimento do Sr. Ivanor Finato.

Entrevistamos o Sr. Ivanor Roberto Finato, diretor do SENAI-SMO. Segue o depoimento:

Ivanor Finato - Diretor do SENAI - SMO
Existe uma pesquisa junto ao SENAI das tendências ou setores que terão maior demanda de profissionais nos proximos anos? Na sua opinião, quais serão?

O SENAI no Brasil possui uma pesquisa para os próximos três anos que indicam os seguinte setores industriais em alta:

· Alimentos e Construção Civil- Serão necessários engenheiros, químicos, técnicos e operários em todas as regiões do Brasil;

· Alcool- Serão necessários operadores e mecânicos de manutenção nas regiões do Brasil que cultivam a cana de açúcar principalmente a região centro Oeste, Alagoas e Rio Grande do Norte ;

· Petróleo- Serão necessários engenheiros químicos e operadores com vagas na Bahia Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro;

· Mecânicos e Técnicos- na extração de minerais em Espirito Santo e Amapá;

· Roupas e acessórios- serão necessários operadores de máquinas em Santa Catarina, Ceará e Pernambuco;

· Fabricação de Máquinas e equipamentos- Serão necessários de Soldadores, montadores de equipamentos eletrônicos e operadores de máquinas na região Sul e São Paulo;

· Calçados e couros – Vagas na Paraíba;

· Montadores mecânicos- Vagas no Amazonas;

Na minha percepção os setores que tendem a crescer são:

· Engenharias;

· Programadores de Computadores;

· Profissionais da Saúde;

· Técnicos elétricos e eletrônicos;

· Profissionais das áreas exatas;

· Profissionais técnicos e especialistas das áreas de Segurança do trabalho;

· Profissionais Técnicos e especialistas nas áreas ambientais;

· Profissionais técnicos e especialistas em Mecânica em geral;

· Profissionais nas áreas de manutenção em Geral (Mecânica, elétrica, eletrônica, Informática, telecomunicações...);

· Profissionais nas áreas de alimentos;

· Profissionais nas áreas administrativas e contábeis.

Como isto afetará as empresas e os profissionais?

As empresas terão que se adequar com as novas tecnologias e qualidades exigidas, a mão de obra qualificada penso que será cada vez mais singular, e os profissionais deverão se profissionalizar para suprir essa demanda de mão de obra qualificada escassa, já o profissional sem prática e conhecimento técnico, ou seja, somente com curso superior de fundamentação poderá ter dificuldade de encontrar emprego, penso que será necessário saber as teorias e bibliografias, porem o saber fazer será crucial para conseguir evoluir e atender as necessidades das indústrias, além é claro de manter postura comportamental adequada para cada função.








Para podermos descrever para você leitor, as profissões que estarão em alta no futuro, precisamos obviamente, basear-nos em dados concretos, de estudos realizados por alguma instituição competente. Desse modo, usamos como fonte de dados para esta descrição, os estudos realizados pelo Profuturo da  FIA, eleita por três vezes, desde 2005, como a melhor Escola de Negócios do Brasil, a FIA, um dos mais conceituados e respeitados centros educacionais do País, possui 30 anos de atuação no setor. Este estudo do Profuturo foi divulgado em 2010 e é apontado por diversos especialistas como verídico, se analisado o processo evolutivo das profissões, visando também às necessidades e comodidades que teremos no futuro. Apresentaremos para vocês as 6 das novas profissões que tendem a dominar o mercado de trabalho até o ano de 2020.


O professor do Profuturo da Fia Antônio Tiago Benedeti informou que as carreiras emergentes exigem um
perfil determinado de candidato. "O mercado está pedindo um profissional com boa formação acadêmica, com experiência multicultural e global, um possível curso de especialização ou MBA, e que seja dinâmico e pró-ativo", descreveu.


"O movimento ascendente do conceito de sustentabilidade nos negócios levará à criação de novas carreiras profissionais até 2020, algumas delas com nomes estranhos, como, por exemplo, gerente de eco-relações. Essa é uma das conclusões da pesquisa Carreiras do Futuro, realizada pelo Programa de Estudos do Futuro (Profuturo) da Fundação Instituto de Administração (FIA)." Ricardo Voltolini, da Revista Idéia Socioambiental.
À partir do questionário Delphi, que entrevistou 112 especialistas, 72% deles apontaram a Gerência de Eco-relações como a carreira que promete mais, entre um total de 6 carreiras que estão surgindo e evoluindo. Este profissional, terá por função principal, a coordenação de  programas ambientais da companhia e das partes interessadas, como por exemplo, grupos de consumidores, ONGs ambientais e governos.
Não podemos dizer que está é uma função inexistente, na realidade há profissionais que realizam este serviço, porém recebem denominações diferentes, seriam basicamente profissionais ligados aos departamentos ou áreas de responsabilidade socioambiental das corporações.
Afirmamos deste modo, que o papel do Gerente de Eco-relações está fundamentado, principalmente numa questão que está sendo bastante discutida nos dias atuais, a sustentabilidade.
Bom pessoal, acreditamos que deu pra ter uma ideia desse perfil de profissional que sera cada vez mais requisitado pelo mercado de trabalho nos próximos anos. Cabe a nós decidirmos se é esse o caminho que queremos seguir.


"Interagirá com os funcionários em diferentes áreas da organização para pesquisar, projetar e aplicar inovações." FIA.
Conforme a divulgação do Profuturo, esta atividade foi apontada com 67% das carreiras com maior demanda no futuro. Um diretor de inovações ou Chief Innovation Officer é uma pessoa em uma empresa que "origina novas idéias, mas também reconhece idéias inovadoras geradas por outras pessoas." O termo Diretor de Inovação foi criado e descrito como uma nova posição executiva. O Chief Innovation Officer é responsável por gerenciar o processo de inovação dentro da organização que identifica estratégias, oportunidades de negócios e novas tecnologias e, em seguida, desenvolve novas capacidades e arquiteturas com parceiros, novos modelos de negócio e novos estruturas da indústria para atender essas oportunidades. Organizações com um Chief Innovation Officer estão praticando parte da quarta geração da teoria da inovação e da prática a emergir. O Chief Innovation Officer centra-se na inovação radical ou revolucionária.


Atualmente, a internet está sendo muito útil para a realização de negócios, que antes não podiam ser feitos deste modo. A cada dia, mais e mais pessoas, por diversas questões, inclusive comodidade, estão, cada vez mais, efetuando compras pela internet. Quem não é adepto, irá se adaptar em breve. Para que aconteça essa padronização, é necessário algum meio para trair cada vez mais pessoas para as compras virtuais. Com foco nessa questão, surge o Gerente de marketing e-commerce, responsável por esquematizar formas de aumentar as vendas pela rede.

O papel do Gerente de E-Commerce 

Por Luiz Dias - Gerente de E-Commerce na Paquetá Esportes, publicado em http://www.mundodomarketing.com.br
A internet, as lojas virtuais e o marketing online trouxeram às posições de destaque jovens profissionais que se desvincularam da triste rotina da mera extração de dados gerenciais e planilhas retrógradas para dar lugar à incessante busca de novas informações, metodologias e ações inovadoras que estão sempre no olho do furacão do ambiente digital, deixando de ser mero robô analítico, mas trabalhando e compreendendo os números de maneira humana e criativa.
O nível de interdisciplinaridade que um Gerente de E-Commerce precisa assumir é do tamanho da humildade necessária para aprender sempre. Por isso, este artigo tem a mera intenção de trazer noções que façam pensar e não que venha vaticinar uma palavra final que, cá para nós, jamais existirá no marketing digital.
Partindo dessa premissa é imperativo afirmar que do estagiário ao presidente, das sempre simpáticas moças da limpeza aos especialistas em tecnologia, todas as informações são importantes. Em para isso é imprescindível a habilidade e conhecimento do Gerente de E-Commerce em coletar os dados e explorar as informações. No entanto, de posse delas, é preciso tornar a tomada de decisões mais precisa, cada vez mais próximo do planejamento e do conceito e milhas e milhas distante do próprio ego ou gosto pessoal travestidos de feeling.
A qualidade da hierarquização do conteúdo, bem como da usabilidade e experiência oferecidas ao usuário, tudo tem influência decisiva nos resultados online. Caso um funil de compra seja de difícil compreensão, automaticamente aumentará a taxa de abandono do seu carrinho. Esse tipo de comportamento é de fácil identificação através da correta utilização de ferramentas de análise como o Google Analytics, Yahoo Web Analytics, Predicta ou Adobe Omniture, por exemplo. está em encontrar os problemas e recomendar as sugestões de melhoria, bem como traçar estratégias de organização da informação e encontrar ou criar as melhores oportunidades.
É importante verificar que, o excesso de recursos técnicos e quantidade avassaladora de tecnologias embutidas em ferramentas gratuitas de considerável simplicidade na utilização, resultam em um soterramento de dados e uma incontida ansiedade de aferir tantos ítens quanto possível. Na verdade, o gestor deve escolher poucos dados de preponderante relevância para serem mensurados e comparados (KPI). Posteriormente, caso haja necessidade, realizar sutis e pertinentes modificações neste processo.
Há de se evitar, também, tratar cada peça como uma só. Banners, E-Mail Marketing, Campanhas, Search Engine Optimization, Search Engine Marketing e imersão em Redes Sociais têm métricas e conversões específicas que devem ser planejadas e parametrizadas de maneira independente, cada qual de acordo com sua própria estratégia.
Não é pela óbvia necessidade de vender que o gerente tem que se preocupar tão somente em oferecer ao seu cliente ofertas imperdíveis, promoções inacreditáveis, infindáveis parcelamentos e frete grátis. O cliente online é exigente e permite poucas falhas. No entanto, existem estratégias que podem tornar o E-Commerce mais amigável, como por exemplo, as inúmeras formas de prestar serviços ao cliente, e para isso, as mais diversas formas de interações com as Redes Sociais.
Também existe a responsabilidade da infra-estrutura tecnológica. O Gerente de E-Commerce deve saber escolher a melhor tecnologia de vendas disponível para adaptar-se ao seu modelo de negócio bem como a segurança e certificações para as transações online em comércio eletrônico e por fim, e não menos importante, a questão logística, que consiste em acompanhar do controle de estoque e das operações, à expedição e ao pós-venda, seja como forma de prestar um serviço melhor ao cliente, seja na política de trocas e pronta solução de eventuais problemas que possam surgir.
O Gerente de E-Commerce tem a função de aumentar o número visitas do site e cuidar para que essas visitas sejam qualificadas, aumentando consequentemente a taxa de conversão das suas diversas estratégias. Acompanhar da oferta à expedição dos produtos certos para o cliente certo (relevância é o nome do jogo) e o compromisso com a total satisfação de quem realiza a compra, fidelizando-o a ponto desse mesmo cliente além de tornar a comprar em seu site, ser o próximo embaixador de sua loja virtual.
A função deste profissional está descrita no nome da carreira. Porém, ainda não há um curso específico parta atuar em tal área, nem mesmo, uma carreira assim denominada. A sociedade atual requer a existência de profissionais que possam auxiliar os aposentados a planejar sua aposentadoria.
Esta profissão aprece na quarta colocação entre as carreiras mais promissoras até 2020, conforme o estudo do Profuturo. As pessoas buscarão mais qualidade de vida, demandando serviços que facilitem as suas vidas e tragam comodidade.
Conforme estudos do IBGE, em 2050, a expectativa de vida do brasileiro será de 81,29 anos. Com isso, a probabilidade da futura profissão de conselheiro de aposentadoria, tende a ter uma grande aprovação entre o público mais velho que estará cada vez em maior quantidade.
A função deste profissional, estará diretamente relacionada à poupança e investimento, ajudando o profissional a pensar a melhor idade e renda para se aposentar. Ajudará a planejar investimentos, e até mesmo uma possível "volta às atividades" da pessoa aposentada.
O conselheiro de aposentadoria, terá também por função, auxiliar o aposentado a planejar o seu tempo.
A carreira, está relacionada às áreas de recursos humanos e finanças. Resta aguardar pelo lançamento deste curso que promete inovar no mercado de trabalho.
Para se dar bem na profissão, o indivíduo deve entender a mentalidade dos "idosos", para desta forma conseguir fluir no seu trabalho.

Já citamos na postagem anterior que as empresas buscam profissionais dinâmicos, que tenham força de vontade e que estejam em constante evolução, independente da empresa ser de grande ou médio porte. Desta forma, cabe aos funcionários traçar metas e encarrar desafio. Para auxiliá-los, surge o  Coordenador de Desenvolvimento da Força de Trabalho e Educação Continuada, que tem por função estimular os funcionários, despertando cada vez mais o seu interesse, fazendo com que rendam no trabalho e que demonstrem capacidade para uma possível promoção de cargo.




Cientistas especializados em informações genéticas, eles serão o sustento para os cientistas que trabalham com o desenvolvimento de medicamentos e técnicas clínicas.

Neste vídeo feito pela Catho, você pode ver mais sobre as novas profissões:




Porém, existem também outros estudos das instituições, que dizem respeito aos setores já existentes ou ainda com focos de existência que estarão em alta num futuro próximo. A BBC Brasil divulgou uma matéria no ano passado, baseada no estudo "The shape of jobs to come", que indica as profissões que terão destaque dentro de alguns anos, dê uma olhada:

A longevidade crescente deve abrir mercado para novas profissões
Nanomédicos, cirurgiões que ampliam a memória, policiais do clima e guias turísticos espaciais estão entre as 107 profissões que estarão em alta no futuro, de acordo com o estudo "The shape of jobs to come" ("Os tipos de trabalhos que virão"), realizado pela consultoria de tendências britânica FastFuture.
Para o estudo, que faz uma análise prevendo o período de hoje a 2030, a empresa ouviu mais de 486 especialistas de 58 países, em cinco continentes.
Levando em conta fatores econômicos, políticos, sociais, demográficos, ambientais e científicos, foi elaborada uma lista que se dividia em "profissões ainda inexistentes", como policial do clima, e as que existem mas cuja demanda deve aumentar, como nanomédico.
Abaixo, dez profissões entre as consideradas mais importantes em um mundo que, segundo a pesquisa, terá que lidar diariamente com as mudanças climáticas, e onde a escassez de água e alimentos será um dos maiores problemas que a comunidade internacional terá que resolver.
O crescimento e o envelhecimento da população devem ser levados em conta. Segundo o estudo, as Nações Unidas prevêem que a população chegue a 9,1 bilhões até 2050. O envelhecimento da população vai pressionar governos, empresas e famílias. E os avanços da ciência e tecnologia vão ter um espaço maior na sociedade. As 20 profissões mais importantes, segundo o estudo, indicam uma tendência de combinar qualificações e habilidades de disciplinas diferentes.

* Policial do clima. As ações de um país podem ter impacto no clima de outro, e serão necessários profissionais que salvaguardem internacionalmente a quantidade de emissões de carvão lançada na atmosfera.

* Fabricantes de partes do corpo. A medicina regenerativa já está dando os primeiros passos. No futuro, serão necessários profissionais que combinem as qualificações médicas com conhecimentos de robótica e de engenharia.

* Nanomédicos. Avanços na nanotecnologia oferecem o potencial de uma gama de artefatos de nível sub-atômico e permitirão uma medicina muito mais personalizada, onde os remédios serão administrados no local exato onde a doença se desenvolveu.

* Farmagranjeiros. Esta profissão envolve conhecimentos farmacêuticos que permitam modificar geneticamente as plantas, de forma que possa ser produzida uma quantidade maior de alimentos, com um maior potencial proteico e terapêutico. Entre as possibilidades do futuro estão tomates que sirvam como "vacinas" ou leite "com propriedades terapêuticas".

* Geriatras. Os médicos especializados no atendimento de pacientes da terceira idade no prolongamento de uma vida ativa têm futuro garantido. E eles deverão cuidar não só do estado físico do paciente, como também de sua saúde mental.

* Cirurgiões para o aumento da memória. É possível que, no futuro, seja possível a implantação de um chip que funcione como um disco rígido para a mente humana e seja possível armazenar nele os fatos que o ser humano não seja capaz de se lembrar. Serão necessários cirurgiões que saibam como realizar essa operação.

* Especialista em ética científica. À medida que a tecnologia e a ciência se integram mais no dia a dia por meio da nanotecnologia, do estudo das proteínas do organismo e da genética, surgirá mais polêmica sobre o possível uso maléfico de tecnologias e seu impacto social. Serão necessários profissionais com amplo conhecimento de ciência. No futuro, a pergunta a ser respondida não será apenas "É possível fazer isso?", mas também "É correto que se faça?"

* Especialista em reversão de mudanças climáticas. Haverá cada vez mais uma demanda por profissionais capazes de reverter os efeitos devastadores do fenômeno: pessoas com capacidade para aplicar soluções multidisciplinares como a construção de guarda-sóis gigantes para desviar os raios do sol.

* Destruidor de dados pessoais. No futuro, especialistas vão se dedicar a destruir os dados pessoais e informações sensíveis de indivíduos. Elas devem ser apagadas de forma segura e definitiva para evitar serem alvo de ataques de hackers.

* Organizadores de vidas eletrônicas. A quantidade de informações disponíveis será tão grande que serão necessários profissionais especializados em organizar a vida eletrônica dos indivíduos. Entre as tarefas estarão ler e arquivar correspondência eletrônica, e garantir que um emaranhado de dados existentes esteja organizado de forma coerente.


Conversamos com alguns profissionais que nos deram esclarecimentos sobre o assunto:

O Diretor Geral da FAI Faculdades de Itapiranga-SC, destaca para Atualizados e Antenados, o perfil de profissional necessário nesta nova etapa do mercado de trabalho.
Leandro Sorgato - Diretor da FAI 
"Em um mundo global em constantes mudanças, onde o crescimento tecnológico é desenfreado, a exigência do mercado de trabalho acaba recaindo sobre profissionais capazes de aplicar seu conhecimento, competência e habilidades de muitas maneiras.

Para tanto as faculdades devem estar preparadas para oferecer aos seus alunos a teoria aliada à prática profissional, e prezar cada vez mais pela interdisciplinaridade, a fim de prepará-los para enfrentar funções híbridas, multifuncionais, polivalentes, multímoda e interdisciplinar.

Segundo um estudo recente, nos próximos 20 anos, cerca de 80% das profissões tende a desaparecer, isto porque, com o crescimento tecnológico, algumas profissões estão sendo “substituídas” por máquinas, cito como exemplo, o revelador de fotografias, que hoje com os porta-retratos digitais, tablets, ipad, iphone que permite um armazenamento de arquivos muito grande, não havendo mais a necessidade de se revelar uma fotografia para poder arquivá-las. Outras profissões que tendem a cair no esquecimento são: operadores de caixas de supermercados e frentistas de postos de combustíveis.

Mas cabe ressaltar que novas necessidades surgirão no mercado como, por exemplo, os administradores de redes sociais, ou até mesmo, gestores de grandes cidades. Os setores com maior probabilidade de crescimento para as próximas décadas são: Informática, Administração, Tecnologia da Informação, Educação, Meio Ambiente, Saúde, Turismo, Lazer e Entretenimento. O futuro é muito incerto, muitas outras especulações estão girando em torno de novas oportunidades e profissões, porém há uma única certeza, mão-de-obra desqualificada não terá espaço em área alguma, o que reforça a necessidade de aperfeiçoamento continuo, através de uma graduação prática, com noções reais do trabalho a ser desenvolvido, seguida de especializações que apontem as perspectivas de cada setor acompanhando assim as mudanças tecnológicas."


A coordenadora do curso de administração da FAI Faculdades também nos deu um depoimento sobre o assunto:
Coordenadora Rosiane Oswald
Há estudos que comprovam que a grande maioria das profissões deverá desaparecer em uma presciência de 20 anos. Esta afirmação é de caráter duvidoso, o que tende a ocorrer é o redirecionamento e remodelagem das profissões existentes. Um exemplo disso é a profissão do administrador, que vem saindo de um profissional burocrático para um profissional inovador, estrategista e ciente do seu papel social.
A questão hoje é exercer a sua profissão (indiferente qual) de forma dedicada, com esmero, procurar a perfeição naquilo que faz, envolver-se, ser responsável e ético, e acima de tudo, respeitar determinados valores.
O diferencial em se graduar em um curso prático que atendem as exigências do mercado, é que o profissional sairá mais competitivo, pois existe grande tendência das organizações contratarem a pessoa que lhe dará o retorno mais rápido e seguro.
O olhar do profissional precisa estar voltado ao aprimoramento da carreira, das novas tendências mundiais, bem como, estar ciente que se manterá no mercado aquele que for capaz de inovar e perceber nos “futuros problemas” fontes de oportunidades, e ser capaz de tirar o eu de suas frases e aproximar-se do nós cada vez mais.


A edição da revista ÉPOCA de 22/08/2011 traz em sua capa a seguinte manchete: "Onde estão os melhores empregos." É muito interessante, dá uma olhadinha em um trecho do conteúdo da edição:


Sidnei Lopes
As notícias sobre a crise econômica internacional podem assustar quem está pensando em procurar emprego. Mas o Brasil oferece boas oportunidades para quem se adaptar aos setores mais aquecidos. ÉPOCA selecionou dez tendências, entre setores da economia, regiões do país e áreas do conhecimento, que apontam uma demanda por bons profissionais. Essas tendências são resultado de uma mistura de fatores, como a ascensão das classes populares brasileiras, a modernização da economia e o investimento em infraestrutura. Por isso, têm resistido à grande crise internacional, detonada em 2008. As oportunidades de trabalho desses setores, como o de petróleo e o agronegócio, vão além das vagas óbvias, diretamente ligadas à produção nas refinarias ou nas fazendas. Há necessidade de gente especializada em vários serviços periféricos, e fundamentais, como finanças, tecnologia e gestão ambiental, adaptados a esses negócios. Com o aquecimento desses setores, e a briga por talentos, algumas empresas atuantes no Brasil também estão investindo mais pesado em pacotes de benefícios, remuneração variável e formação profissional.
   Reprodução
Saiba quais são as 5 profissões que estão em alta no mercado na entrevista com o conselheiro da Associação Brasileira de Recursos Humanos Regional BH, transmitida no programa Bom dia Minas Gerais da Rede Globo:



Pessoal, convenhamos que esta última postagem está recheada de depoimentos legais, não é? Pois bem, temos um depoimento exclusivíssimo para Atualizados e Antenados de ninguém mais e ninguém menos que Flávio Rosário, que está entre a lista dos melhores palestrantes do Brasil.

Flávio e Roberto Justus - Palestra em Brasília.
"O profissional do futuro não tem “emprego” e sim “empregabilidade”, pois o profissional bem preparado, com boas qualificações e conhecimento prático, muito provavelmente não ficarão sem colocação no mercado de trabalho.
O Brasil hoje tem um déficit enorme de profissionais qualificados, pois o nível das instituições de ensino tem diminuído muito nos últimos anos. As empresas não buscam mais profissionais “teóricos” ou “estudiosos” sobre determinado assunto e, sim profissionais com experiência prática. Por isso, os cursos técnicos com formação rápida fazem tanto sucesso. O Brasil está crescendo mais rápido que a mão de obra formada e, com isso cria gargalos em diversas áreas, ótima oportunidade para quem se especializar em cursos práticos.
A maioria das profissões do futuro ainda não existe, pois estamos vivendo profundas mudanças no cotidiano por conta da tecnologia, interação e mobilidade. O profissional de sucesso deverá ficar atento a essas mudanças e permanecer continuamente se aperfeiçoando."
Depoimento exclusivo para Atualizados e Antenados, do vice-presidente da FIESC no extremo-oeste, Sr. Astor Kist:


Sr. Astor, você como vice-presidente da FIESC, poderia nos informar, segundo a FIESC, quais os setores que apresentarão maior e menor demanda num futuro próximo?

1- Setores com maior demanda:
- Informática
- Automação
- Alimentos
- Serviços de forma geral
- Metal mecânico
- Energia
- Educação
- Saúde
- Segurança
- Derivados de madeira ( Pinus e Eucalipto)
- Oceanologia

2- Setores com menor demanda
- Agricultura - (mais tecnologia)
- Vestuário e têxteis - (alta concorrência externa)
- Calçados (alta concorrência externa)

Como afetará as empresas e profissionais?

Para sobreviverem, as empresas, precisarão cada vez mais qualificar sua mão de obra, inovar, buscar automação, aumentar a qualidade e a produtividade de seus produtos e serviços.
Os profissionais que não se qualificarem vão ficar fora do mercado de trabalho ou terão que sujeitar-se a trabalhos braçais de baixos salários e maiores riscos. O caminho é a busca de tecnologia e profissionalização.
 Para quem está entrando no mercado de trabalho não pode nunca pensar em se acomodar. A busca constante de aperfeiçoamento deve ser atônica, além de comprometimento, eficiência e eficácia. O Brasil e o mundo terão dificuldades em suprir a demanda de profissionais qualificados. Sobrarão os não qualificados


Fato é que vemos todos os dias noticiários nas mídias referentes à grande demanda de profissionais no mercado de trabalho de tecnologia da informação, popular TI. Atualmente, o mercado de trabalho está requerendo diversos profissionais desse setor. Porém, é necessária uma grande capacitação para atuar nesta área.
Os profissionais de TI precisam se submeter à constantes atualizações, pois com as grandes evoluções tecnológicas, é necessário que estes profissionais se adaptem e cresçam em paralelo.
O Brasil, atualmente demanda profissionais para o seleto grupo de profissionais qualificados no setor tecnológico global. Assim, o nosso país dá oportunidades para que empresas do setor invistam na capacitação de seus funcionários.

Habilidades técnicas indispensáveis para os profissionais de TI:
Serão necessárias inúmeras capacidade sintéticas para os profissionais de TI do futuro. Na verdade, a Tecnologia da Informação é muito ampla e abrangente, e teremos muitos profissionais se especializando tanto em novas tecnologias quanto nas tecnologias existentes.
Sempre existirão profissionais altamente capacitados em determinado setor tecnológico, como também, pessoas que se especializem principalmente na gestão, os quais necessitam de conhecimentos técnicos.
Além das habilidades técnicas, serão amplamente exigidas as capacidades comportamentais do indivíduo, estas, descritas na postagem anterior. No mercado de TI, como também em qualquer outra profissão, o indivíduo jamais deve visar sua acomodação, precisa estar evoluindo e demonstrando capacidade a cada dia. Deverá desenvolver suas capacidades de comunicação, de trabalho em equipe, de relacionamento vertical e horizontal. Futuramente umas das competências mais relevantes no profissional de TI será a flexibilidade.
Haverá também uma grande valorização dos profissionais que possuam o domínio de mais de um dialeto, visando que o mercado de TI está profundamente relacionado a países estrangeiros.
O perfil de profissional de TI, com certeza não é feito por um molde, cada indivíduo recebe as instruções e passa por um processo de adaptação, desta forma, podemos dizer que um ensina o outro, por exemplo, o gestor de determinada área, passou pelo mesmo processo de adaptação que um aprendiz, por exemplo. Com esta estruturação de profissionais, as empresas tendem a ser mais dinâmicas e eficientes. Cabe a empresa uma política interna para a manutenção desses profissionais no seu quadro de funcionários, por isso, o mercado de TI oferece um grande retorno financeiro aos profissionais.
O profissional do futuro deverá ter uma ampla visão de empreendedorismo e isto implica em maior autonomia, liberdade na busca de soluções, de criar e concretizar ideias.
Algumas características dos profissionais serão aprimoradas futuramente, um exemplo disso é a liderança, que segue um padrão único atualmente, porém, este não deverá ser útil em muitas situações futuras nas empresas, será necessário agir de maneira diferente.

"O grande problema atual é o déficit de profissionais. A precariedade da qualificação da mão de obra é conseqüência. Para agravar ainda mais a situação, temos exportado técnicos qualificados para outros países e empresas estrangeiras do segmento de TI estão se instalando no Brasil, demandando pessoal local.
A solução em médio prazo será a criação de novas escolas de formação em TI. Em curto prazo, não resta alternativas senão o investimento em treinamento interno nas empresas." (Shuji Shimada, diretor da empresa People Consulting)

 Todos os domingos, vai ao ar pela Rede TV o programa Olhar Digital, que aborda os diversos temas do mercado de TI. Já tínhamos visto as matérias que estão nos vídeos abaixo, agora, ficamos felizes de termos encontrado-nas no youtube e poder transmitir para vocês. Elas falam do futuro do TI.






Encontramos na web uma entrevista de René de Paula Jr. falando ao BandTec sobre TI. Já trabalhou na Microsoft e no Yahoo, hoje está na Locaweb, sempre bem antenado às direções que a profissão está tomando. No Profissão TI, René fala sobre o grande crescimento do mercado e as ótimas oportunidades que a carreira em TI oferece.

Clique aqui e ouça a entrevista.


Quer saber quanto ganha um profissional de TI por mês? Então dá uma olhada na tabela das profissões e seus respectivos salários:

CargoSalário (R$)
JúniorPlenoSênior
Administrador de banco de dados (DBA)3.922,335.255,678.376,33
Administrador de rede3.953,714.411,436.242,86
Analista de dados3.200,004.500,006.000,00
Analista de Infra4.200,005.000,006.500,00
Analista de microinformática2.700,003.400,003.850,00
Analista de negócios5.096,005.675,006.033,00
Analista de org. e métodos2.500,004.500,005.000,00
Analista de processos2.500,003.200,004.500,00
Analista de produção3.973,004.106,675.002,33
Analista de projetos de sistemas3.713,675.215,337.415,33
Analista de segurança de informações4.406,004.588,006.488,33
Analista de sistemas4.761,336.284,337.620,33
Analista de sistemas de internet6.875,008.988,009.123,00
Analista de suporte de vendas800,001.200,001.800,00
Analista de suporte ERP2.000,003.000,004.000,00
Analista de suporte Linux1.700,004.500,007.500,00
Analista de suporte Mainframe3.000,004.200,006.000,00
Analista de suporte Notes1.800,002.800,003.700,00
Analista de suporte Redes2.100,003.000,004.500,00
Analista de suporte técnico4.208,004.505,005.056,00
Analista de suporte Unix2.500,003.200,004.500,00
Analista de suporte Windows1.000,001.500,002.000,00
Analista de telecomunicações3.608,005.725,337.992,33
Analista de testes2.000,003.000,004.000,00
Analista programador  mainframe2.200,003.800,005.800,00
Analista programador .NET2.600,004.000,005.500,00
Analista programador Abap4.200,007.200,009.500,00
Analista programador ASP2.500,004.000,006.500,00
Analista programador C++3.000,004.200,007.000,00
Analista programador Delphi2.500,003.800,005.500,00
Analista programador Java3.000,004.500,006.000,00
Analista programador jr. – micro2.759,003.432,003.824,00
Analista programador PHP3.000,004.500,006.000,00
Analista programador progress4.000,006.000,007.500,00
Analista programador Visual Basic2.000,003.000,004.500,00
Analista segurança de sistemas4.500,006.000,007.000,00
Arquiteto de testes3.000,004.200,005.500,00
Auditor de sistemas3.000,004.000,004.500,00
Chefe de sistemas7.282,008.583,0011.325,00
Chefe de suporte técnico6.640,008.664,0012.055,00
Chefe de telecomunicações6.875,0011.253,0012.833,00
Chefe programação de sistemas7.979,008.367,0010.550,00
Consultor TI especializado6.057,007.725,0011.034,00
Consultor TI funcional5.708,006.174,008.561,00
Coordenador de projetos de sistemas7.450,0010.248,0012.477,00
Coordenador de suporte técnico4.174,525.489,027.911,22
Engenheiro de sistemas – software5.541,005.550,005.562,00
Engenheiro de telecomunicações4.485,676.421,677.934,00
Executivo de contas20.000,0023.000,0026.000,00
Gerente de contas TI15.000,0018.000,0022.000,00
Gerente de e-commerce13.334,0015.156,0020.622,00
Gerente de operação6.000,008.000,0011.800,00
Gerente de processos12.000,0012.500,0015.000,00
Gerente de produção de operações6.303,008.372,0012.193,00
Gerente de projetos de sistemas12.995,0013.873,0015.596,00
Gerente de segurança de sistemas sr.11.060,0012.192,0014.333,00
Gerente de sistemas15.596,0018.088,0022.529,00
Gerente de suporte técnico11.857,0011.993,0014.423,00
Gerente de telecomunicações16.678,0019.552,0024.260,00
Operador de computador1.954,672.381,672.934,33
Programador .NET2.500,003.500,005.000,00
Programador Abap4.000,007.000,009.000,00
Programador ASP1.500,002.000,003.000,00
Programador Delphi2.000,003.500,005.000,00
Programador Java2.500,003.800,005.500,00
Programador Mainframe2.000,003.500,005.000,00
Programador PHP2.500,003.500,005.000,00
Programador Visual Basic1.800,002.800,004.000,00
Técnico de celular900,001.200,001.800,00
Técnico de hardware900,001.200,001.800,00
Técnico de microinformática900,001.200,001.800,00
Técnico de suporte900,001.200,001.800,00
Técnico de telecomunicações3.072,334.323,674.955,00
Webdesigner3.814,004.613,005.457,00
Webmaster6.139,006.798,008.121,00
Fonte: Info Online


Como já repetimos e reafirmamos aqui nesta postagem, as profissões estão passando por um processo evolutivo, muitas delas acabam sofrendo ajustes e adaptações às novas necessidades, porém, algumas não conseguem acompanhar esse fluxo ou simplesmente não são mais do interesse do mercado de trabalho, ficando no esquecimento até seu total desaparecimento.
Se formos citar para vocês todas as profissões que irão desaparecer no futuro,  precisaríamos fazer uma tabela por séculos, pois essas mudanças são constantes, bom, como nós, apesar de sermos Atualizados e Antenados, não dispomos de uma bola de cristal para transmitir estes dados, vamos descrever para vocês, num parâmetro geral, dez profissões que estão em processo de extinção, ok?
Vamos lá gente, fizemos buscas na web e em algumas revistas, à partir dos dados coletados,  foi possível criarmos a lista a seguir, com base no que a maioria das fontes dizia.

Cobrador de ônibus: Já foi muito frequente que entrássemos em um ônibus e logo viesse uma pessoa, com um bloquinho para cobrar a passagem, pois bem, a profissão de cobrador está perdendo espaço no mercado de trabalho, e cada vez mais, com a implantação da bilhetagem eletrônica, esse número de profissionais será cada vez menor, apontando para uma futura inexistência.

Estenógrafo: Possivelmente, você não tenha conhecimento desta profissão, pelo menos não consegue identificá-la pelo nome. O estenógrafo é o profissional que transcreve falas e diálogos em tempo "real". Trabalha quase que exclusivamente com a justiça. Porém com as novas tecnologias, que proporcionam a automatização deste processo de transcrição, esta é mais uma das profissões que já estão quase extintas do mercado de trabalho.

Fotógrafo: Nos dias atuais, quem não possui uma câmera fotográfica digital? Com a banalização destes equipamentos, os fotógrafos profissionais, que antigamente eram os únicos capazes de realizar fotografias, perdem, cada vez mais o seu espaço no mercado de trabalho, sendo que o futuro desta profissão acaba tornando-se incerto.

Jornaleiro: Os populares entregadores de jornal, perderão espaço não exclusivamente por alguma intervenção em sua profissão, mas sim, sofrerá as consequências da extinção gradativa dos jornais. é claro que muitas pessoas leem o seu jornal diário, e nós acreditamos que isso seja interessante, porém, com a digitalização das notícias e também visando a sustentabilidade, será inviável que num futuro ainda circulem jornais todos os dias nas ruas das cidades.

Sapateiro: Como já falamos, o sapateiro está sumindo do mapa. Essa profissão já teve seu auge em tempos remotos, onde a população se exibia com seus belos sapatos, que a medida que iam estragando, necessitavam de restaurações, era então que o sapateiro atuava. Hoje, são pouquíssimos os que levam seus sapatos para a reforma. Podemos dizer, ou melhor, conseguimos observar na sapataria que ainda há em nossa cidade, Itapiranga, que o público que resiste em levar seus calçados ao sapateiro são exclusivamente as pessoas mais velhas, que cultivam o costume. Em pleno século XXI, ao menor sinal de desgaste em seu calçado, a população recorre à compra de um novo, desta forma, descartando o "antigo". Isso reflete bastante às condições financeiras possíveis atualmente.

Operador de cinema: é galera, isso não quer dizer que o cinema vai parar, este profissional está perdendo espaço devido à digitalização dos filmes, no futuro, não haverão mais aquelas fitas enroladas, e o tradicional slogan do cinema será perdido. Hoje, com a tecnologia 3D já podemos notar a suma extinção de tal profissional. Agora, resta aguardarmos o futuro, que cada vez mais, traz surpresas e novidades, constituindo um ciclo eterno.

Professores: Essa é uma questão bastante polêmica, não podemos dizer que estes profissionais deixarão de existir, pois isso representaria o fim da educação, mas observando uma série de fatores é possível prever que cada vez mais tenhamos menos professores capacitados em sala de aula. Antigamente a figura de professor era aquela pessoa séria, geralmente de mais idade e com diversas formações, era considerada uma profissão status. Porém, nos dias atuais, podemos notar que muitos professores investem em sua carreira, porém não recebem o retorno para o que investiram. Recentemente os estudantes catarinenses sofreram com a greve dos professores, que exigiam seu direitos perante a lei. São lutas incessantes dessa classe. Observando isso, os jovens não veem um futuro atuando nesta área. Outra questão que está contribuindo para a redução do número de professores, é o avanço tecnológico, ou seja, professores estão sendo substituídos por máquinas.


Já um estudo realizado pela revista Visão, aponta outras áreas que perderão espaço no futuro, dá uma olhadinha:

Profissões que vão desaparecer:

Operador de caixa nos super e hipermercados
Revelador de fotografias
Gerente de lojas de CD
Sindicalista
Autor de enciclopédias
Mineiro
Construtor
Piloto de aviões caça
Operador de call center
Prospector de petróleo



Este vídeo do youtube representa diversas profissões que estão em processo inicial e final de extinção, não deixe de ver, é bastante interessante:



Nos vídeos abaixo, que encontramos no youtube, um dos últimos alfaiates tradicionais do Brasil, José Cozzi fala sobre a extinção da profissão, confira:

Parte 1

Parte 2




Veja a seguir um artigo feito pelo profissional Carlos Júlio que é reconhecido pelas revistas Veja e Exame como um dos melhores palestrantes brasileiros, falando sobre os profissionais do futuro.

Cadê meu emprego?
O mercado passou a exigir, dos profissionais, cultura global e comunicação desenvolta em outros idiomas, além do entendimento de diferentes economias e do funcionamento das mais diversas corporações.
Se consigo me lembrar com exatidão é porque não faz tanto tempo assim. Há uns dez ou quinze anos, tudo parecia bem mais fácil. Soa como utopia, mas é realidade. Acreditem! A minha memória traz à tona a imagem de meu pai. Para ele, o bom funcionário era aquele que não faltava ao trabalho e sempre chegava no horário. Parece incrível, mas bastava ter esses pequenos cuidados que o tempo de casa lhe garantia seu sucesso e sua empregabilidade.
As carreiras, por exemplo, eram muito fáceis de ser escolhidas pelos jovens candidatos ao sucesso: Medicina, Engenharia ou Advocacia. Isso mesmo, se a família pudesse prover uma boa faculdade em qualquer uma dessas formações, o jovem ou a jovem se transformariam em doutor e o sucesso estava praticamente garantido. E as famílias que, em sua maioria, não podiam arcar com os custos do ensino de terceiro grau, estimulavam os seus filhos a prestar um dos muitos concursos públicos ou, então, o que parecia ser o melhor deles: naquela época, o do Banco do Brasil.
Carlos Alberto Júlio
Já nas empresas, as carreiras eram projetadas para se subir em escadinha (degrau por degrau), escalando o organograma que, por ser vertical, indicava que tudo o que se tinha a fazer era subir, subir e subir. Geralmente, essa ascensão ocorria por tempo de casa ou, com maior freqüência, por processos políticos e não por mérito.
Ao que parece era tudo muito certinho, meio programado. Para completar o panorama, as filhas, em sua maioria, deveriam aprender a cozinhar, costurar e cuidar de crianças. Afinal, um bom casamento era tudo o que lhes desejavam ainda que, raramente, alguém lhes perguntasse sobre o que de verdade queriam.
Para o bem ou para o mal, essas eram as regras - tão simples e nada justas - que pareciam ordenar as carreiras e a vida profissional das pessoas. Porém, e ninguém sabe informar com precisão a partir de quando, o mundo virou. E como virou!
A globalização dos mercados passou a exigir profissionais com cultura também global, capacidade para se comunicar com desenvoltura em outros idiomas além de entender as diferentes economias e padrões de funcionamento das mais diversas corporações. Essas grandes empresas, denominadas globais, com suas estruturas superprofissionalizadas, passaram a ser pontos de referência para um novo estilo de gestão e, portanto, de carreira. Por serem mais horizontais, essas novas formas de organização, acabaram por destruir o tradicional organograma que só mostrava a relação de poder, não vislumbrava nem o cliente, nem os processos. É de se perguntar para que servia um organograma que não mostrava nada disso. A verdade é que, no universo corporativo em que o trabalho em equipe se sobrepõe, a liderança muda de papel. Troca-se o chefe de antigamente pelo líder do presente, aquele que está muito mais preocupado em formar novas lideranças que contratar seguidores. Liderança essa que se concretiza pela admiração do time, que trabalha para o time e não espera que a equipe o sirva.
Como se esse novo mundo já não fosse diferente o bastante para que nos dessem um tempo para nos adaptarmos, eis que o maior fenômeno econômico e de negócios de todos os tempos nos atinge quase que simultaneamente: a Internet. Mais que ferramentas tecnológicas, a Internet cria todo um novo ambiente corporativo, profissional. Destaque-se que a velocidade e as novas formas de se fazer as coisas antigas são as responsáveis por causar impacto nas mudanças ocorridas nas empresas e, por conseqüência, no perfil do profissional deste milênio.
Ninguém ignora que, na chamada era do conhecimento, a regra é educar ou morrer. Educação no sentido mais strictus da palavra - a possibilidade de saber o suficiente para decidir, continuar assimilando as novas tecnologias, comportamentos e, sobretudo, monitorar mercados e oportunidades - parece ser um dos elementos-chave da questão da empregabilidade. Mais que isso. Busca-se o profissional que sabe um pouco de tudo mas, verdadeiramente, aquele que sabe muito de várias áreas do conhecimento.
Ainda que se possa sentir desconfortável com tamanhas exigências, é por esse caminho que se encontra a tal da empregabilidade. Profissionais mais informados, mais informatizados, mais educados, mais tecnológicos, mais cultos e refinados. Obviamente, não há que se descartar um MBA, idiomas e vivência internacional.
Um verdadeiro super-homem, uma verdadeira supermulher...
Confortável ou não com essa idéia, não há como recuar e, sim, adaptar-se. Afinal, Darwin e seus conceitos jamais foram tão presentes e tão provados: o mundo é dos adaptáveis!
E você faz a diferença quando, mais que entender as mudanças, for atrás delas com um sentido de oportunidade. Essas estão, sim, nas empresas da chamada nova economia mas também nas demais que estão se modernizando e crescendo nos negócios globalizados. Há muito que fazer na indústria do lazer, do turismo e da diversão. Por outro lado, não podemos deixar de ignorar as imensas oportunidades que já se apresentam no terceiro setor, ONG's e na indústria de serviços em geral. Mudar, mais que preciso, é fundamental para se obter sucesso e garantir a sua empregabilidade nos próximos anos. Como "segurar" a minha vaga Dentro do cenário da mudança - que resumidamente poderíamos relacionar como prioridade total ao cliente, novos produtos, serviços e mercados, novos patamares de competitividade, avanços tecnológicos, redes globais, alta velocidade estratégica, cidadania global e longevidade - espera-se que, para manter a sua competitividade individual e a chamada empragabilidade, será necessário desenvolver as seguintes competências:
1. Focar sua atenção no conhecimento essencial da área escolhida sem negligenciar a necessidade de absorver e entender das demais áreas da empresa e do meio ambiente de negócios em geral.
2. Desenvolver sua capacidade de comunicação global.
3. Trabalhar com visão estratégica.
4. Manter-se atualizado tecnologicamente.
5. Ter consciência de cidadania global.
6. Desenvolver relacionamentos.
7. Ter equilíbrio e coerência.
8. Mostrar-se, sempre, com postura empreendedora.
9. Ter interesse e comprometimento com a empresa e com o time.
10. Flexibilidade e adaptabilidade: eis a chave do sucesso. (Divulgação, portal HSM online)



Falar de cursos práticos, não seria nada sem citarmos a indústria do conhecimento, especializada neste tipo de cursos. Podemos dizer que o SENAI é o mais completo centro de ensino prático no nosso país, espalhado por todos os cantos do Brasil. Para podermos transmitir de forma mais simples o conceito de cursos práticos podemos dizer que estes são os cursos profissionalizantes. Ex. técnico agrícola, técnico em eletromecânica, técnico de segurança, tecnólogo à nível de 3 grau.
Exite uma ótima demanda e uma excelente empregabilidade nestes cursos que o SENAI oferece. Além disso, cada vez mais as empresas estão buscando profissionais com conhecimento prático. Dentre as inúmeras vantagens que estes cursos proporcionam, está a curta duração, diferente dos cursos universitários que tem duração média de 4 anos,  os práticos duram em média menos de um ano. Como já citamos, profissionais com esta formação são bastante requisitados, e isto tende a aumentar cada vez mais, sendo assim, num futuro próximo as graduações universitárias perderão valor e serão levadas menos em conta e predominarão os cursos práticos. Portanto, além de gastar menos, de ter menor duração, o indivíduo com formação prática terá um futuro mais garantido no Mercado de Trabalho. Par saber mais acesse o Portal SENAI: http://senai.com.br


Nossa, a postagem já está enorme, né? Mas enfim, vamos ser breves à partir de agora. Galera, desemprego estrutural. Essa é uma questão que tende a gerar grandes conflitos nos próximos anos. Já há inúmeros problemas de desemprego estrutural nos dias atuais. Desemprego estrutural quer dizer uma grande demanda de profissionais para uma pequena quantidade de vagas, isso não está se referindo à uma entrevista de emprego ou algo assim, estamos falando que realmente o número de profissionais em todo o país é maior do que a necessidade do mercado de trabalho. Desta forma, os profissionais acabam por não serem absorvidos ao meio profissional, representando o desemprego estrutural. Podemos relacionar esse desemprego, principalmente à tecnologia e maquinização. O grande contribuinte para para tal fato é o setor tecnológico, que inventa e reinventa constantemente. Desta forma, um simples software lançado, pode representar milhares de pessoas desempregadas. Deu pra ter uma noção? Por exemplo, os bancos estão investindo pesado em TI, desta forma, haverá cada vez menos a necessidade de profissionais bancários.



Galera, uma dica muito bacana para vocês complementarem seus conhecimentos sobre as profissões é a leitura da revista Its edição #75 do mês de junho desse ano. Realmente nos surpreendemos ao lê-la, o que nos atraiu, obviamente, foi a capa sugestiva (vide foto). Você olha para  capa imagina aquela monotonia, jornalismo, arquitetura, medicina... enfim. Nada disso, essa edição, conforme o título "Plano B", fala de profissões diferentes, que saem desse padrão imposto pela sociedade. E olha, particularmente, eu acredito que estas possam estar entre as novas profissões do futuro (usei no singular, pois essa é uma opinião minha, Daniel).
Mas bem galera, fica a dica, é realmente muito interessante, não poderia deixar de ser né? Se você ainda não leu a edição, dá uma procurada na biblioteca da sua escola, ou então vai até uma banca e compra, vale muito à pena!





Como de costume, ao final do post indicamos para vocês alguns vídeos interessantes sobre o tema abordado, hoje são quatro dicas complementares para vocês assistirem:









Alguns links interessantes:
http://www.renato.sabbatini.com/correio/ciencia/cp990917.htm
http://www.tecmundo.com.br/3150-profissoes-do-futuro.htm
http://www.mundovestibular.com.br/articles/3026/1/ESTUDO-MOSTRA-AS-PROFISSOES-DO-FUTURO-ATE-2015/Paacutegina1.html
http://www.hsm.com.br/artigos/admiravel-emprego-novo

Bom, pessoal, é isso aí, Atualizados e Antenados encerra sua participação no Desafio do Conhecimento 2.0 com a postagem acima. Cremos que seria interessantes relatarmos a vocês um balanço geral dessas semanas de trabalho. Seguinte, o Desafio do Conhecimento proporcionou um ganho imenso de conhecimento à nossa equipe, também aprendemos a manter a calma e a paciência diante de algumas situações, como por exemplo, a antipatia e mal atendimento que sofremos em algumas empresas. Cada nova tarefa foi um desafio, acreditamos que cada esforço tenha valido à pena. Essa apreensão pró-ranking foi muito legal, essa interação entre as equipes do desafio também. Enfim, nosso maior ganho é sim o conhecimento, tudo que aprendemos já está sendo aplicado no nosso dia-a-dia. Queremos agradecer muito a todos que nos auxiliaram, não podemos citar nomes, pois foram realmente muitos os profissionais que tão logo à nossa solicitação, atenderam-nos tão gentilmente. Fato é, que mais uma vez vemos a necessidade de agradecer à Senhora Valicir Melchiors Trebien pela ajuda voluntária e incessante que nos deu. Valicir, você sabe o esforço que tivemos, e acima de tudo, você pode medir os seus esforços para conosco. Muito Obrigado. Enfim, queremos agradecer à equipe Its por ter nos proporcionado a oportunidade de participar do Desafio. É isso pessoal, o conhecimento sempre existirá, é só corrermos atrás e adquirimos-no. Após a divulgação do ranking final, cada elemento da nossa equipe vai fazer um post relatando sua experiência durante o Desafio, ok? Abraço, gente!!!



Fontes não citadas na matéria: http://empregos.com.br; http://curiosando.com.br; http://pt.scribd.com; Revista Época; http://www.blogpaedia.com.br; http://www.added.com.br; http://www.vestibular.brasilescola.com; http://www.marketingambiental.wordpress.com; BBC Brasil; http://veja.abril.com.br


1 2 3 4